Meu humor



Meu perfil
BRASIL, Mulher, Música, Livros, Filmes, Jornalista, Professora, Escritora. E-mail: limarmello@bol.com.br



Arquivos

    Categorias
    Todas as mensagens
     Link
     Citação
     Língua Portuguesa e Literatura
     Meus poemas, contos e fotos
     Ditadura militar
     Meus artigos
     Quem é Lídia Maria de Melo

    Votação
     Dê uma nota para meu blog

    Outros links
     Minha página no Orkut
     Minha Página de Vídeos no You Tube
     Comentários sobre o blog
     Ganhadores do Prêmio Vladimir Herzog (sou um deles)
     Meu Currículo Lattes (no CNPq)
     ........................
     Meu poema '' Entrega''
     Meu poema ''Tua Casa. Teu Perfil''
     Meu poema ''Mosaico''
     Meu poema ''Roteiro''
     Meu poema ''Ação das Palavras''
     Meu poema ''Sonho Real''
     Meu poema ''Recado de Deus''
     Meu poema ''Retrato'' e minha foto aos 4 anos
     Meu poema ''Sem Fronteira''
     ''Gil, Simplesmente Metáfora'' (comentário)
     Meu conto Bala Perdida
     Meu conto ''Como Um Poeta''
     Meu conto ''Pelo deleite do ócio, por conta de uma ousadia''
     Notícia sobre meu conto ''Como Um Poeta''
     Meu conto "Como Um Poeta'' na antologia da Unicamp
     Concurso de Contos da Unicamp (vencedores _ sou um deles)
     Minha dissertação de Mestrado (USP)
     Minha dissertação de Mestrado e outras (USP)
     Minha dissertação de Mestrado (Inep)
     Minha Dissertação de Mestrado - Capes (resumo)
     Minha dissertação de Mestrado (UFRGS)
     Áudio de entrevista sobre o Golpe Militar de 1964, após palestra minha no Sesc em maio de 2004
     Raul Soares, Um Navio Tatuado em Nós, reportagem sobre meu livro (site Novo Milênio, reprodução de A Tribuna)
     A Tortura no Porto de Santos (artigo de Alessandro Atanes, que cita trecho de meu livro Raul Soares)
     Minha reportagem: Thomas Maack, médico e preso do Raul Soares (site Novo Milênio, reprodução de A Tribuna)
     Meu livro Raul Soares, Um Navio Tatuado em Nós faz parte do acervo da Library of Congress (Biblioteca do Congresso Norte-Americano)
     Meu livro ''Raul Soares, Um Navio Tatuado em Nós'', catálogo da Fundação Biblioteca Nacional
     Meu livro Raul Soares, Um Navio tatuado em Nós (registro na Biblioteca Nacional)
      Raul Soares - pronunciamento na Assembléia Legislativa em 2003
     Reportagem de Laire J Giraud que menciona meu nome e de meu pai
     Artigo sobre o golpe de 1964 (Laire José Giraud)
     Minha reportagem: Zuleika Alambert, a primeira deputada santista (site Novo Milênio, reprodução de A Tribuna)
     Minha reportagem: O juridiquês no banco dos réus (A Tribuna)
     Minha reportagem: Atenta ao mundo, cronista Nair Lacerda faz 90 anos (A Tribuna -18.7.1993, reprodução no site de Santo André)
     Minha reportagem: O juridiquês no banco dos réus (site da Associação dos Magistrados Brasileiros, reprodução de A Tribuna)
     Minha reportagem: entrevista sobre Educação e Violência, publicada em 26 de junho de 2006 (A Tribuna)
     Minha reportagem: As conquistas de um menino que ''nunca iria aprender'' (Reprodução da Revista Nova Escola)
     Meu artigo: Coral de Bem-te-vis (publicado no Blog do Noblat)
     Meu artigo: Agressão no Futebol (publicado no Blog do Noblat)
     Meu comentário: Que sina! (sobre expectativa de vida e aposentadoria)
     Uma Prosa com a Poesia de Adélia Prado (Meu artigo)
     Licenças poéticas e musicais e a Língua Portuguesa
     Meu comentário sobre nova reforma ortográfica: ''Regras para todos, sem exceção''. (A Tribuna, 15/7/07)
     Eu na lista de alunos egressos da USP
     Participação em pesquisa na Escola de Comunicações e Artes da USP
     Reportagem sobre minha palestra (Jornais e Neologismos) no Intercom/2007 - Universidade Católica de Brasília
     Entrevista sobre Neologismos concedida a Ted Sartori
     Cidade de Santos (jornal) - fechado em 1987- imagens e textos -
     Lúpus (depoimento)
     As crônicas de Rubem Braga
     Narciso de Andrade
     Vinte Anos da Anistia
     Beco de Ouro Preto
     Dante de Oliveira, o pai das Diretas Já
     Ouro Preto - Abril de 1984, Diretas Já e Medalha do Inconfidente
     A Sangue Frio, Truman Capote (pequena análise)
     TV Globo exibe manifesto do PCC (testemunho)
     União Brasileira dos Escritores
     ........................
     LINKS INTERESSANTES
     Conto ''Angústia'', de Tchekhov
     Museu da Língua Portuguesa
     Texto Vivo - Narrativas da Vida Real (Jornalismo Literário)
     Projeto Releituras
     Blog do Noblat
     Blog da Soninha
     Fotolog Navios do Silvares
     Fotolog Santos Ontem
     Blog Propagandas Antigas
     Blog Propagandas Antigas 1
     Blog Propagandas Antigas 2
     Blog Propagandas Antigas 3
     Site do poeta Mário Quintana
     Violência contra a Mulher
     Amigos do Livro
     TV Livro (vídeos)
     Uol Vídeos
     Propaganda da All Day (linda!)
     Lisboa entre Cabos, blog do português Luís Miguel Correia - belíssimas fotos




    Blog da Lidia Maria de Melo
     


    Amigos

     

    Outro dia, recebi um e-mail de uma amiga e resolvi transcrevê-lo aqui:

     

     

    Um jovem recém casado estava sentado num sofá num dia quente e úmido, bebericando chá gelado durante uma visita ao seu pai. Ao conversarem sobre a vida, o casamento, as responsabilidades da vida, as obrigações da pessoa adulta, o pai remexia pensativamente os cubos de gelo no seu copo e lançou um olhar claro e sóbrio para seu filho.

     

    - Nunca esqueça de seus amigos, aconselhou. Serão mais importantes na medida em que você envelhecer. Independentemente do quanto você ame sua família, os filhos que porventura venham a ter, você sempre precisará de amigos. Lembre-se de ocasionalmente ir a lugares com eles; faça coisas com eles; telefone para eles...

     

    Que estranho conselho!, pensou o jovem. Acabo de ingressar no mundo dos casados. Sou adulto. Com certeza, minha esposa e a família que iniciaremos serão tudo de que necessito para dar sentido à minha vida!

     

    Contudo, ele obedeceu ao pai. Manteve contato com seus amigos e anualmente aumentava o número de amigos. Na medida em que os anos se passavam, ele foi compreendendo que seu pai sabia do que falava. Na medida em que o tempo e a natureza realizam suas mudanças e mistérios sobre um homem, amigos são baluartes de sua vida. Passados mais de 50 anos, eis o que aprendeu:

     

    O Tempo passa.

    A vida acontece.

    A distância separa.

    As crianças crescem.

    Os empregos vão e vêem.

    O amor fica mais frouxo.

    As pessoas não fazem o que deveriam fazer.

    O coração se rompe.

    Os pais morrem.

    Os colegas esquecem os favores.

    As carreiras terminam.

     

    MAS ... os verdadeiros amigos estão lá, não importa quanto tempo e quantos quilômetros estão entre vocês.

     

    Um amigo nunca está mais distante do que o alcance de uma necessidade, torcendo por você, intervindo em seu favor e esperando você de braços abertos, abençoando sua vida!

     

    Quando iniciamos esta aventura chamada vida, não sabíamos das incríveis alegrias ou tristezas que estavam adiante. Nem sabíamos o quanto precisaríamos uns dos outros.

     

    Se achar que deve, remeta este texto a todos os amigos que ajudam a dar sentido à sua vida.

     

     



    Categoria: Meus artigos
    Escrito por Lídia Maria de Melo às 13h27
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Guga e Sandra, recados da França

     

    Hoje, o recado veio da França. Ou melhor, os franceses nos deram uma lição. Uma, não. Duas.

    Primeiro, receberam de braços abertos e com muito carinho o nosso Gustavo Kuerten, o Guga. A imprensa e o público que admira tênis continuam considerando o Manezinho da Ilha como O Rei do Saibro. É um tapa com luva de pelica nos brasileiros que passaram a desdenhar do Tricampeão de Roland Garros, desde que a dor no quadril começou a impedi-lo de continuar vencendo os abertos de tênis, como ocorria até pouco tempo.

    É uma pena que os brasileiros já tenham se esquecido de todas as conquistas de Guga. É lamentável que não percebam que toda vitória inclui derrotas. É triste saber que os estranhos reconhecem o valor desse campeão que deixa as quadras com dignidade, não por incompetência, mas por uma contingência, enquanto muitos brasileiros, não. As vitórias que Guga conquistou, sabem os franceses, já foram escritas na história do tênis com suas raquetadas e seus gemidos característicos em quadra. Com seu talento merecedor e desprovido de arrogância. Com a humildade de quem sabe ser grande.

    A segunda lição veio de Cannes, do festival de cinema mais do que consagrado. O júri escolheu Sandra Corveloni como a melhor atriz, quando ninguém falava nela, quando todos apostavam em Angelina Jolie, entre outros nomes mundialmente famosos.

    Atriz de teatro há anos e integrante do grupo Tapa, Sandra estreou agora no cinema por meio do filme ''Linha de Passe'', de Walter Salles e Daniela Thomas, e não foi a Cannes, porque perdeu um bebê e não podia viajar.   No grupo Tapa, além de atuar, Sandra é professora e assistente de direção. No teatro, seus principais trabalhos são "As viúvas", de Arthur Azevedo, "Contos de sedução", de Guy de Maupassant, e "Órfãos de Jânio", de Millôr Fernandes.

    Será que já não é hora de perdermos o complexo de inferioridade e de começarmos a reconhecer os talentos que temos em casa? Ou será que vamos bater sempre naquela tecla de que o importado é que é bom? Ou vamos insistir em reafirmar o ditado de que santo de casa não faz milagre?

    Está mais do que na hora de entender o recado da França.

    Para Guga, para Sandra e tantos e tantos brasileiros talentosos, famosos ou anônimos, eu tiro o chapéu e rendo os meus aplausos.


    Atenção: É proibida a reprodução dos textos e das fotos deste blog em qualquer meio de comunicação, impresso ou escrito, sem autorização da jornalista Lídia Maria de Melo. Esta advertência está amparada pela Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.   



    Categoria: Meus artigos
    Escrito por Lídia Maria de Melo às 00h32
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Uma luz na escuridão

     



    Categoria: Meus poemas, contos e fotos
    Escrito por Lídia Maria de Melo às 03h44
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Zélia Gatai

     

    Zélia Gatai morreu, aos 91 anos, na Bahia. Foi encontrar-se com Jorge, como ela chamava o marido, o escritor Jorge Amado, o amor de sua vida. Vão continuar a ser felizes. 



    Categoria: Meus artigos
    Escrito por Lídia Maria de Melo às 17h57
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Educação

     

    Publiquei no site do jornal A Tribuna (de Santos), na seção Papo Exclusivo Com Editores, um comentário sobre a qualidade do ensino das escolas públicas estaduais. Reproduzo abaixo, junto com comentários enviados por leitores:

    Sexta-Feira, 16 de Maio de 2008, 07:49

    Metas precisam ser cumpridas, mesmo sob nova direção

    De A Tribuna On-line

    Lídia Maria de Melo 

    Editora de Local

     

    Não surpreende a situação das escolas estaduais no Índice de Desenvolvimento da Educação de São Paulo (Idesp), anunciado quinta-feira pela secretária de Estado da Educação, Maria Helena Guimarães. Criado para medir a qualidade do ensino nas 5.183 escolas do Estado, o Idesp apontou que 1.112 unidades da Baixada Santista - de 2.102 existentes - tiraram média abaixo de 7, numa escala de zero a 10.

     

    Na região, somente em Santos houve escolas que ultrapassaram a média estadual, que foi de 3,23, entre unidades de 1ª a 4ª série.

     

    Diferentemente do que ocorre nas redes particular e municipal, essa situação, com raras exceções, deverá continuar se repetindo por anos no ensino público estadual, a menos que seus gestores se conscientizem de que Educação só dá resultado a longo prazo.

     

    O Estado não pode ficar dependendo de iniciativas isoladas, como as que ocorrem em algumas unidades, por abnegação de diretores, professores, pais e alunos. É preciso que haja uma política educacional (desvinculada de partidos) com metas a serem cumpridas e atingidas em toda a rede.

     

    Não é mais possível admitir que, a cada mudança de governo, altere-se a sistemática de ensino. É preciso preservar o que está dando certo e combater os problemas, como a desmotivação. É necessário que existam pessoas comprometidas com o futuro deste País.

     

    A secretária Maria Helena diz que, com os dados do Idesp, o objetivo agora é estabelecer metas que deverão ser alcançadas, ano a ano, até 2030. A idéia é boa, mas será preciso que a população cobre que esse procedimento se mantenha, mesmo se o Estado estiver sob nova direção.

    Comentários de leitores

    Carlos Gama | 16/5/2008 09:15 | delphim@procuram-se.com |

    Você tem toda a razão, Lídia Maria, em seus comentários e análises.
    A qualidade do ensino (mais por questões políticas que quaisquer outras) vem caindo, ano a ano, a ponto de se encontrar, ao término dos quatro primeiros anos escolares, crianças quase analfabetas.
    Sim, deve haver seriedade no trato das questões educacionais, os programas têm de ser para longo prazo e respeitados, sob pena de continuarmos nesta decadência. A prática usual e irresponsável do muda governo muda tudo, deve ter fim.

    graça leal | 16/5/2008 10:54 | gracaleal2@hotmail.com |

    A qualidade de ensino já despencou há muito tempo.Minhas filhas passaram pelo ensino em escolas públicas e vi que um ou dois professores davam aula. Outros faltavam ou enrolavam, deixando a classe sem fazer nada, inclusive ao ficar corrigindo provas.É sofrível e talvez por tudo isso é que os jovens estão desmotivados com a aula e sem cultura geral.Mas, qdo o Governador vem visitar as escolas até papel higiênico eles colocam nos banheiros, uma maravilha.Depois tudo volta ao normal.

    Sonia Catarino | 16/5/2008 14:18 | s.jordao@terra.com.br |

    Sou diretora de escola estadual aposentada e creio que muita coisa não mudou desde que me desliguei da Educação Oficial. Um dos maiores problemas, na minha opinião, já levantado no artigo é a gestão do diretor da escola. Poucos são efetivamente comprometidos política e afetivamente com as escolas que dirigem.

    helio amarante | 17/5/2008 10:21 |

    Infelizmente o processo de ensino está jogado no lixo, alguns pseudos conhecedores de ensino perderam a lisura de ensinar o que realmente deveria ser ensinado, as escolas não tem apoio, ficam entregues nas mãos de professores que pouco se reciclam, escolas totalmente abandonadas, sistema de ensino que empurra as crianças sem ao menos aprender a taboada, enfim um sistema de ensino que está levando com a barriga e ensinando nada aos que querem aprender. Este sistema de ensino está ultrapassado.


    Atenção: É proibida a reprodução dos textos e das fotos deste blog em qualquer meio de comunicação, impresso ou escrito, sem autorização da jornalista Lídia Maria de Melo. Esta advertência está  amparada pela Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.



    Categoria: Meus artigos
    Escrito por Lídia Maria de Melo às 15h44
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Neil Diamond - Play Me



    Categoria: Meus artigos
    Escrito por Lídia Maria de Melo às 03h18
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Para Minha Mãe

     

       RETRATO

     

                                  

     

                                 (Lídia Maria de Melo)

     

     

    Carícia é o modo de minha mãe

    chamar baixo: _ Filha.

    Volto de mãos dadas ao tempo

    e visto vestido de organdi,

    pulseira com nome gravado,

    sapato de verniz,

    meia soquete

    e laço de fita nos cabelos longos.

    Afasto bastante os braços do corpo

    para não amarrotar o vestido,

    aperto os dentes de leite

    no lábio inferior, num sorriso,

    e poso para fotografia

    esperando  o passarinho,

    pronta para voar

    em preto e branco.


    Atenção: É proibida a reprodução dos textos e das fotos deste blog em qualquer meio de comunicação, impresso ou escrito, sem autorização da jornalista Lídia Maria de Melo. Esta advertência está  amparada pela Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.   



    Categoria: Meus poemas, contos e fotos
    Escrito por Lídia Maria de Melo às 03h07
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Sobre sol, cabelos, pessoas, luzes e flores

     

    Hoje está um dia de sol tão brilhante e baixa umidade do ar. Legal para os cabelos femininos (e talvez para os masculinos também), que ficam mais sedosos e menos rebeldes. Aquela nossa constante umidade nos dá trabalho em termos capilares.

    Mas não queria falar nada disso. Quero homenagear a Fabiana que se tornou mãe no dia 1º e vai passar o primeiro dia das mães com seu pimpolho Lucas.

    Também me lembrei da Diguê que está em Londres, feliz da vida, mas ainda sentindo falta da internet. Tive vontade de contar a ela que a CPFL Piratininga começou a instalar postes de energia elétrica no Iriri, bairro da área continental de Santos, que ainda vive na total escuridão. A única coisa boa do breu é que a comunidade ainda pode ver o céu cheio de estrelas à noite. A Diguê fez várias reportagens cobrando luz e até ganhou um prêmio (uma viagem a Londres). Anos mais tarde e uma viagem depois, parece que a energia elétrica vai se tornar realidade.

    Para todos, ofereço essa flor que fotografei no domingo. Chama-se Ciclame (cyclamen persicum). A Nara Leão cantava uma música que falava nela: ''Ciclame, meu bem me chame/No céu azul pra chover/Me ame e chame meu nome/no meio do teu prazer''.


    Atenção: É proibida a reprodução dos textos e das fotos deste blog em qualquer meio de comunicação, impresso ou escrito, sem autorização da jornalista Lídia Maria de Melo. Esta advertência está  amparada pela Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.   



    Categoria: Meus poemas, contos e fotos
    Escrito por Lídia Maria de Melo às 13h51
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Língua (música)

     

    Ouça Caetano Veloso e Elza Soares cantando ''Língua'', uma preciosidade (de 1984) de autoria do compositor e cantor baiano, filho de dona Canô e irmão de Maria Bethânia. Depois, leia a letra abaixo do vídeo, tirado do Youtube. (A dupla cantou na Discoteca do Chacrinha. Faz tempo!)

     

             Língua
                       
       (Caetano Veloso)

    Gosta de sentir a minha língua roçar a língua de Luís de Camões
    Gosto de ser e de estar
    E quero me dedicar a criar confusões de prosódia
    E uma profusão de paródias
    Que encurtem dores
    E furtem cores como camaleões
    Gosto do Pessoa na pessoa
    Da rosa no Rosa
    E sei que a poesia está para a prosa
    Assim como o amor está para a amizade
    E quem há de negar que esta lhe é superior?
    E deixe os Portugais morrerem à míngua
    “Minha pátria é minha língua”
    Fala Mangueira! Fala!

    Flor do Lácio Sambódromo Lusamérica latim em pó
    O que quer
    O que pode esta língua?

    Vamos atentar para a sintaxe dos paulistas
    E o falso inglês relax dos surfistas
    Sejamos imperialistas! Cadê? Sejamos imperialistas!
    Vamos na velô da dicção choo-choo de Carmem Miranda
    E que o Chico Buarque de Holanda nos resgate
    E – xeque-mate – explique-nos Luanda
    Ouçamos com atenção os deles e os delas da TV Globo
    Sejamos o lobo do lobo do homem
    Lobo do lobo do lobo do homem
    Adoro nomes
    Nomes em ã
    De coisas como rã e ímã
    Ímã ímã ímã ímã ímã ímã ímã ímã
    Nomes de nomes
    Como Scarlet Moon de Chevalier, Glauco Mattoso e Arrigo Barnabé
    e Maria da Fé

    Flor do Lácio Sambódromo Lusamérica latim em pó
    O que quer
    O que pode esta língua?

    Se você tem uma idéia incrível é melhor fazer uma canção
    Está provado que só é possível filosofar em alemão
    Blitz quer dizer corisco
    Hollywood quer dizer Azevedo
    E o Recôncavo, e o Recôncavo, e o Recôncavo meu medo
    A língua é minha pátria
    E eu não tenho pátria, tenho mátria
    E quero frátria
    Poesia concreta, prosa caótica
    Ótica futura
    Samba-rap, chic-left com banana
    (– Será que ele está no Pão de Açúcar?
    – Tá craude brô
    – Você e tu
    – Lhe amo
    – Qué queu te faço, nego?
    – Bote ligeiro!
    – Ma’de brinquinho, Ricardo!? Teu tio vai ficar desesperado!
    – Ó Tavinho, põe camisola pra dentro, assim mais pareces um espantalho!
    – I like to spend some time in Mozambique
    – Arigatô, arigatô!)
    Nós canto-falamos como quem inveja negros
    Que sofrem horrores no Gueto do Harlem
    Livros, discos, vídeos à mancheia
    E deixa que digam, que pensem, que falem.



    Categoria: Meus artigos
    Escrito por Lídia Maria de Melo às 02h27
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Um Poema (emprestado) de Amor

     

    (Transcrevo aqui este poema da atriz, escritora e jornalista Elisa Lucinda, porque expõe o que, certamente, muita gente gostaria de ter escrito. Eu, inclusive).

    Da chegada do amor

    Autora: Elisa Lucinda   


    Sempre quis um amor
    que falasse
    que soubesse o que sentisse.
    Sempre quis um amor que elaborasse
    Que quando dormisse
    ressonasse confiança
    no sopro do sono
    e trouxesse beijo
    no clarão da amanhecice.

    Sempre quis um amor
    que coubesse no que me disse.
    Sempre quis uma meninice
    entre menino e senhor
    uma cachorrice
    onde tanto pudesse a sem-vergonhice
    do macho
    quanto a sabedoria do sabedor.

    Sempre quis um amor cujo
    BOM DIA!
    morasse na eternidade de encadear os tempos:
    passado presente futuro
    coisa da mesma embocadura
    sabor da mesma golada.
    Sempre quis um amor de goleadas
    cuja rede complexa
    do pano de fundo dos seres
    não assustasse.
    Sempre quis um amor
    que não se incomodasse
    quando a poesia da cama me levasse.
    Sempre quis um amor
    que não se chateasse
    diante das diferenças.

    Agora, diante da encomenda
    metade de mim rasga afoita
    o embrulho
    e a outra metade é o
    futuro de saber o segredo
    que enrola o laço,
    é observar
    o desenho
    do invólucro e compará-lo
    com a calma da alma
    o seu conteúdo.
    Contudo
    sempre quis um amor
    que me coubesse futuro
    e me alternasse em menina e adulto
    que ora eu fosse o fácil, o sério
    e ora um doce mistério
    que ora eu fosse medo-asneira
    e ora eu fosse brincadeira
    ultra-sonografia do furor,
    sempre quis um amor
    que sem tensa-corrida-de ocorresse.
    Sempre quis um amor
    que acontecesse
    sem esforço
    sem medo da inspiração
    por ele acabar.
    Sempre quis um amor
    de abafar,
    (não o caso)
    mas cuja demora de ocaso
    estivesse imensamente
    nas nossas mãos.
    Sem senãos.
    Sempre quis um amor
    com definição de quero
    sem o lero-lero da falsa sedução.
    Eu sempre disse não
    à constituição dos séculos
    que diz que o "garantido" amor
    é a sua negação.
    Sempre quis um amor
    que gozasse
    e que pouco antes
    de chegar a esse céu
    se anunciasse.

    Sempre quis um amor
    que vivesse a felicidade
    sem reclamar dela ou disso.
    Sempre quis um amor não omisso
    e que suas estórias me contasse.
    Ah, eu sempre quis um amor que amasse.



    Categoria: Meus artigos
    Escrito por Lídia Maria de Melo às 23h23
    [] [envie esta mensagem
    ] []



     
      [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]