Meu humor



Meu perfil
BRASIL, Mulher, Música, Livros, Filmes, Jornalista, Professora, Escritora. E-mail: limarmello@bol.com.br



Arquivos

    Categorias
    Todas as mensagens
     Link
     Citação
     Língua Portuguesa e Literatura
     Meus poemas, contos e fotos
     Ditadura militar
     Meus artigos
     Quem é Lídia Maria de Melo

    Votação
     Dê uma nota para meu blog

    Outros links
     Minha página no Orkut
     Minha Página de Vídeos no You Tube
     Comentários sobre o blog
     Ganhadores do Prêmio Vladimir Herzog (sou um deles)
     Meu Currículo Lattes (no CNPq)
     ........................
     Meu poema '' Entrega''
     Meu poema ''Tua Casa. Teu Perfil''
     Meu poema ''Mosaico''
     Meu poema ''Roteiro''
     Meu poema ''Ação das Palavras''
     Meu poema ''Sonho Real''
     Meu poema ''Recado de Deus''
     Meu poema ''Retrato'' e minha foto aos 4 anos
     Meu poema ''Sem Fronteira''
     ''Gil, Simplesmente Metáfora'' (comentário)
     Meu conto Bala Perdida
     Meu conto ''Como Um Poeta''
     Meu conto ''Pelo deleite do ócio, por conta de uma ousadia''
     Notícia sobre meu conto ''Como Um Poeta''
     Meu conto "Como Um Poeta'' na antologia da Unicamp
     Concurso de Contos da Unicamp (vencedores _ sou um deles)
     Minha dissertação de Mestrado (USP)
     Minha dissertação de Mestrado e outras (USP)
     Minha dissertação de Mestrado (Inep)
     Minha Dissertação de Mestrado - Capes (resumo)
     Minha dissertação de Mestrado (UFRGS)
     Áudio de entrevista sobre o Golpe Militar de 1964, após palestra minha no Sesc em maio de 2004
     Raul Soares, Um Navio Tatuado em Nós, reportagem sobre meu livro (site Novo Milênio, reprodução de A Tribuna)
     A Tortura no Porto de Santos (artigo de Alessandro Atanes, que cita trecho de meu livro Raul Soares)
     Minha reportagem: Thomas Maack, médico e preso do Raul Soares (site Novo Milênio, reprodução de A Tribuna)
     Meu livro Raul Soares, Um Navio Tatuado em Nós faz parte do acervo da Library of Congress (Biblioteca do Congresso Norte-Americano)
     Meu livro ''Raul Soares, Um Navio Tatuado em Nós'', catálogo da Fundação Biblioteca Nacional
     Meu livro Raul Soares, Um Navio tatuado em Nós (registro na Biblioteca Nacional)
      Raul Soares - pronunciamento na Assembléia Legislativa em 2003
     Reportagem de Laire J Giraud que menciona meu nome e de meu pai
     Artigo sobre o golpe de 1964 (Laire José Giraud)
     Minha reportagem: Zuleika Alambert, a primeira deputada santista (site Novo Milênio, reprodução de A Tribuna)
     Minha reportagem: O juridiquês no banco dos réus (A Tribuna)
     Minha reportagem: Atenta ao mundo, cronista Nair Lacerda faz 90 anos (A Tribuna -18.7.1993, reprodução no site de Santo André)
     Minha reportagem: O juridiquês no banco dos réus (site da Associação dos Magistrados Brasileiros, reprodução de A Tribuna)
     Minha reportagem: entrevista sobre Educação e Violência, publicada em 26 de junho de 2006 (A Tribuna)
     Minha reportagem: As conquistas de um menino que ''nunca iria aprender'' (Reprodução da Revista Nova Escola)
     Meu artigo: Coral de Bem-te-vis (publicado no Blog do Noblat)
     Meu artigo: Agressão no Futebol (publicado no Blog do Noblat)
     Meu comentário: Que sina! (sobre expectativa de vida e aposentadoria)
     Uma Prosa com a Poesia de Adélia Prado (Meu artigo)
     Licenças poéticas e musicais e a Língua Portuguesa
     Meu comentário sobre nova reforma ortográfica: ''Regras para todos, sem exceção''. (A Tribuna, 15/7/07)
     Eu na lista de alunos egressos da USP
     Participação em pesquisa na Escola de Comunicações e Artes da USP
     Reportagem sobre minha palestra (Jornais e Neologismos) no Intercom/2007 - Universidade Católica de Brasília
     Entrevista sobre Neologismos concedida a Ted Sartori
     Cidade de Santos (jornal) - fechado em 1987- imagens e textos -
     Lúpus (depoimento)
     As crônicas de Rubem Braga
     Narciso de Andrade
     Vinte Anos da Anistia
     Beco de Ouro Preto
     Dante de Oliveira, o pai das Diretas Já
     Ouro Preto - Abril de 1984, Diretas Já e Medalha do Inconfidente
     A Sangue Frio, Truman Capote (pequena análise)
     TV Globo exibe manifesto do PCC (testemunho)
     União Brasileira dos Escritores
     ........................
     LINKS INTERESSANTES
     Conto ''Angústia'', de Tchekhov
     Museu da Língua Portuguesa
     Texto Vivo - Narrativas da Vida Real (Jornalismo Literário)
     Projeto Releituras
     Blog do Noblat
     Blog da Soninha
     Fotolog Navios do Silvares
     Fotolog Santos Ontem
     Blog Propagandas Antigas
     Blog Propagandas Antigas 1
     Blog Propagandas Antigas 2
     Blog Propagandas Antigas 3
     Site do poeta Mário Quintana
     Violência contra a Mulher
     Amigos do Livro
     TV Livro (vídeos)
     Uol Vídeos
     Propaganda da All Day (linda!)
     Lisboa entre Cabos, blog do português Luís Miguel Correia - belíssimas fotos




    Blog da Lidia Maria de Melo
     

    Meus artigos



    Uma prosa com a poesia de Adélia Prado (I)

    (Texto de minha autoria, publicado no caderno AT Especial, do jornal A Tribuna, em 3 de novembro de 1990, quando a atriz Fernanda Montenegro encenou, no Teatro do Sesc/Santos, o espetáculo Dona Doida, montado com poemas de Adélia Prado. Na matéria, faço uma análise da obra da poetisa mineira, mesclando com trechos da entrevista que ela me concedeu em julho de 1984, em sua casa, na cidade de Divinópolis, em Minas Gerais).

     

    [Este material já havia sido postado neste blog em maio de 2006, mas houve um problema (que não identifiquei) que danificou o arquivo].

     

     

      A poesia de Adélia Prado tem seus modos, seu sotaque mineiro. Não faz pose. Nasce das mínimas coisas, do que  lhe toca a sensibilidade. Tanto pode estar na cozinha _ ‘‘Minha mãe cozinhava exatamente/ arroz, feijão roxinho, molho de batatinhas./ Mas cantava’’ _ como na igreja _ ‘‘Igreja é o melhor lugar./ Lá o gado de Deus pára pra beber água’’.

       Harmoniza perfeitamente palavrão _ ‘‘e morra a puta/ que pariu minha tristeza’’ _ e erotismo _ ‘‘meu coração bate desesperadamente/ onde minhas pernas se juntam’’ _ com religiosidade _ ‘‘Tudo é uma coisa só. Sombra do que será./ O que difere é Deus’’ _ e metafísica _ ‘‘Eu sempre sonho que uma coisa gera,/ nunca nada está morto./ O que não parece vivo, aduba’’.

       Pude sentir melhor essa sutileza, quando, depois de ler toda sua obra, estive em sua casa na Rua Ceará, em Divinópolis, Minas Gerais, e ela me disse com simplicidade: ‘‘A poesia é o substrato de toda a existência. Não pára quando se vai pôr uma panela de arroz no fogo. O poeta é existencialmente poeta. Todo seu enfoque do mundo é poético’’.

       Era 21 de julho de 1984. Conversamos por quase duas horas e o tempo todo a poesia rodeou por ali ‘‘requintada e esquisita como uma dama’’. No piano, nas paredes de pedra, na mesa comprida de madeira escura com passadeira branca, nos retratos, na fala de Adélia, no jeito particular de mexer nos cabelos.

       Havia um mês que Os Componentes da Banda tinham sido lançados. Era o seu sexto livro. Um romance sem narrativa convencional, com personagens flutuantes, elaborado a partir dos conflitos da protagonista Violeta Vigo Viante. Como os demais, resultou das anotações à mão, que costuma fazer em seu sebo, caderno onde registra as situações cotidianas em que sente literatura. ‘‘É como um saco onde se vai pondo retalhos bonitos, até que chega um dia em que se junta tudo e se faz uma colcha bem bonita’’, explicou-me.

    (continua abaixo)


    Atenção: É proibida a reprodução dos textos e das fotos deste blog em qualquer meio de comunicação, impresso ou escrito, sem autorização da jornalista Lídia Maria de Melo. Esta advertência está  amparada pela Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.



    Escrito por Lídia Maria de Melo às 01h09
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Uma prosa com a poesia de Adélia Prado (II)

    (continuação)

     

     Lambendo a cria

       Adélia ainda estava surpresa com o próprio texto e lambia a cria, da mesma forma como fizera com os outros cinco.

    _ ‘‘Meu livro sobre a mesa contraponteava exato/ com os pardais, os urinóis pela metade,/ o antigo e intenso desejar de um verso’’.

       Os amigos e familiares faziam a leitura com intenção de descobrir a relação dos personagens com pessoas conhecidas. ‘‘Outro dia’’, comentou, ‘‘meu tio me disse que havia encontrado um rapaz de meu livro lá na Rua Goiás e queria que eu confirmasse. Esse mesmo tio já está sendo chamado de Tio Dan-Dan (um personagem). Eu digo que não é bem assim!’’.

       Esclareceu que não faz cópia da realidade. Procura alguma coisa a mais. Porém, admitiu que só sabe escrever sobre o que vivenciou. _ ‘‘Uma ocasião,/ meu pai pintou a casa toda/ de alaranjado brilhante./ Por muito tempo moramos numa casa/ como ele mesmo dizia:/ constantemente amanhecendo’’.

       Somente sob esse aspecto é que admite que sua obra seja considerada autobiográfica. _ ‘‘Sou mulher do povo, mãe de filhos, Adélia./ Faço comida e como./ Aos domingos, bato o osso no prato pra chamar o cachorro/ e atiro os restos’’.

       Aquele encantamento não impedia de estar atenta aos acontecimentos do País. Adélia criticou a educação brasileira, considerando escola ‘‘a coisa mais odiosa’’, devido  à forma de avaliação que, através do nivelamento quantitativo, não permite o desenvolvimento da criatividade.

       Revelou-se inconformada com a falta de espaço para as verdadeiras vocações, já que, depois de anos de estudo, os jovens profissionais são obrigados a ‘‘vender pipoca ou sanduíches naturais, quando não enfrentam concursos desonestos’’.

    (continua abaixo)


    Atenção: É proibida a reprodução dos textos e das fotos deste blog em qualquer meio de comunicação, impresso ou escrito, sem autorização da jornalista Lídia Maria de Melo. Esta advertência está  amparada pela Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.

     



    Escrito por Lídia Maria de Melo às 00h59
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Uma prosa com a poesia de Adélia Prado (III)

    (continuação)

     

     Paciência histórica 

       Sobre a sucessão presidencial aguardada para o ano seguinte, desabafou: ‘‘Faltam homens, não é? Homens que estejam dispostos a morrer por nós’’. O tom de esperança retornou quando comentou a situação de dom Paulo Evaristo Arns na Arquidiocese de São Paulo.

       Certa vez, ouviu um pronunciamento do cardeal, conclamando o povo a reconquistar seus direitos, e impressionou-se com a expressão ‘‘paciência histórica’’, utilizada por ele. Não teve dúvidas: colocou-a na boca da personagem Violeta Vigo Viante.

       Adélia também não deixou de citar sua imensa fé em Deus _ ‘‘Sem fé a pessoa está morta’’. Nem o amor: ‘‘Antes de querer salvar o mundo, é preciso salvar a si mesmo através da metáfora mais incrível, o amor’’.

       Para ela, um ser somente passa a existir realmente através do sentimento de um outro ser. _ ‘‘Minha mãe achava estudo/ a coisa mais fina do mundo./ Não é./ A coisa mais fina do mundo é o sentimento’’. _ Por essa razão, não crê que uma pessoa mal amada, que não procura fazer uma revolução interior, seja capaz de fazer uma revolução social.

       Adélia nasceu em Divinópolis em 1936. Era uma entre os oito filhos de um ferroviário. Formou-se professora com os franciscanos, antes de se casar com José, um funcionário do Banco do Brasil. Cursou a Faculdade de Filosofia, mas voltou ao Magistério depois que os cinco filhos haviam crescido.

       Também foi professora de catecismo na igreja, ajudou a montar autos festivos, mas se afastou. Continua a participar da vida religiosa pela liturgia, fé e poesia. _ ‘‘A poesia me salvará./ Por ela entendo a paixão/ que Ele teve por nós, morrendo na cruz’’.

    (continua abaixo)               


    Atenção: É proibida a reprodução dos textos e das fotos deste blog em qualquer meio de comunicação, impresso ou escrito, sem autorização da jornalista Lídia Maria de Melo. Esta advertência está  amparada pela Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.



    Escrito por Lídia Maria de Melo às 00h54
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Uma prosa com a poesia de Adélia Prado (IV)

    (continuação)

     

       Desde adolescente 

       A escrever, começou na adolescência: ‘’Não tinha valor literário. Imitei demais Augusto dos Anjos, Alphonsus Guimarães, à procura de uma linguagem própria’’. A maturidade só veio na década de 70. ‘’Fiz um texto lírico e me assustei. Tinha achado um atalho’’.

       Em 75, enviou os originais de Bagagem, o primeiro volume  de poesias, para Afonso Romano de Sant´Anna, então crítico da revista Veja. Os poemas tocaram-no a tal ponto que ele os recomendou a Carlos Drummond de Andrade, que de pronto dedicou elogiosa crônica à conterrânea no Jornal do Brasil.

       A publicação veio no ano seguinte, com sucesso. O segundo livro de poesias, O Coração Disparado, saiu em 77, com prefácio de Romano de Sant´Anna, e recebeu o Prêmio Jabuti um ano depois. Em 79, surgiu a prosa poética de Solte os Cachorros.

       Cacos para um Vitral surpreendeu em 80 como um romance embrionário, conforme definiu a própria autora. Terra de Santa Cruz trouxe mais poemas em 81. Depois de Os Componentes da Banda, Adélia lançou O Pelicano em 87. O último foi Faca no Peito, em 88. Passou pelas editoras Imago, Nova Fronteira, Guanabara e Rocco.

       Tudo o que escreve à mão com caneta Parker, o marido, que trata por Zé, datilografa. Agora, Fernanda Montenegro interpreta, concretizando uma esperança de Adélia _ ‘‘esperança que de Minas Gerais dá pra escutar até Nova Iorque’’ _, revelada pela personagem Glória, de Cacos para um Vitral: ‘‘Quero ser um poeta extraordinário e desejo poder escrever um teatro muito engraçado pra todo mundo rir até ficar irmão’’.

       Quando a atriz repete _ ‘‘De que modo vou abrir a janela, se não for doida?/ Como a fecharei se não for santa?’’, o sonho de Adélia se torna, como ela mesma gosta de dizer, ‘‘plausível’’.

        Quando Fernanda se junta a Adélia, dá para reviver a emoção de seis anos atrás em Divinópolis. Lá, tive o privilégio de testemunhar a concretização dos versos ‘‘Eu sou de barro e oca/ Eu sou barroca’’.

       


    Atenção: É proibida a reprodução dos textos e das fotos deste blog em qualquer meio de comunicação, impresso ou escrito, sem autorização da jornalista Lídia Maria de Melo. Esta advertência está  amparada pela Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.

     



    Escrito por Lídia Maria de Melo às 00h49
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Dois assuntos

    Primeiro:

    Em sua coluna de 14 de setembro, no Estadão, o escritor Ignácio de Loyola Brandão lamenta ter ido a Divinópolis e não ter conseguido descobrir qual das casas da Rua Ceará é a da também escritora Adélia Prado. Ele mesmo parodia o clichê: ''ir a Divinópolis e não ver Adélia é como ir a Roma e não ver o papa''.

    Posso dizer que tive mais sorte que ele em 1984, quando namorei um divinopolitano. Não só fui à casa de Adélia Prado, como fui muito bem-recebida por ela, que me deu uma entrevista maravilhosa. Eu ainda era estudante do terceiro ano de Jornalismo.

    Na época, escrevi uma matéria para o jornal-laboratório Agência Facos, da Faculdade de Comunicação (curso de Jornalismo) da Universidade Católica de Santos. Em 1990, aproveitei o material e publiquei outra matéria no jornal A Tribuna, de Santos. Para ler, veja os posts acima ou clique aqui. 

    P.S.: Por falar em Loyola, por onde será que anda João Bosco Brandão? Escrevi com ele uma peça há alguns anos. Conversávamos muito por e-mail, telefone, correios... Depois, nos perdemos. Como andará seu pique no teatro? Na net, há pouquíssima coisa desse irmão de Loyola, que ele chama de Ignácio.

    Segundo:

    A televisão é um meio de comunicação tão importante no Brasil. Tem um alcance que supera de longe os jornais, as revistas, o cinema, a literatura... A Regina Casé falou muito bem sobre isso nesta noite de domingo, em entrevista à Marília Gabriela. Por isso, acho lamentável o anúncio que foi veiculado na semana passada (não sei se ainda está no ar, porque sábado e domingo não acompanhei a programação da TV Globo), tendo como protagonista o ator excelente e simpaticíssimo Alexandre Borges. Sem contar que é santistíssimo (bairrista, eu?!). O problema, claro, não é o Alexandre, mas a pronúncia errada da palavra ''gratuito''.

    Ele falava algo sobre o projeto Ação Global, desenvolvido em parceria pelo Sesi e Rede Globo. Cometeu o erro de muita gente: em vez de ''gratuito'' (forma correta), pronunciou ''gratuíto'' (forma errada).

    Será que ninguém da equipe de produção do anúncio percebeu o erro? Ou será que toda a equipe também pronuncia de forma errada? A conseqüência é que a televisão ajudou a reforçar um erro. E pior: muita gente que falava certo, mas tinha dúvida, deve estar achando que o errado é que está certo. Que droga!


    Atenção: É proibida a reprodução dos textos e das fotos deste blog em qualquer meio de comunicação, impresso ou escrito, sem autorização da jornalista Lídia Maria de Melo. Esta advertência está  amparada pela Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. 



    Escrito por Lídia Maria de Melo às 23h42
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Cidade de Santos

    Jornal Cidade de Santos 

    Hoje, faz 20 anos que o Cidade de Santos parou de circular. A imagem acima reproduz a primeira página da última edição em 15 de setembro de 1987. À esquerda, foi publicado um comunicado dirigido aos leitores sobre o encerramento das atividades. O editor-chefe era José Alberto  Moraes Alves Blandy. 

    Fundado pelo Grupo Folhas em 1967, quando eu ainda era criança, o Cidade de Santos foi o jornal em que iniciei minha carreira como jornalista. Comecei a trabalhar na redação situada na Rua do Comércio, 32, esquina com a XV de Novembro, no Centro, em 2 de janeiro de 1986. O editor-chefe era Gabriel Tranjan, um excelente profissional. Fiquei até o fatídico 15 de setembro de 1987, quando a edição circulou com 14 páginas, divididas em dois cadernos. Na última, o título era bastante sugestivo: ''Esta cidade está abandonada. É o fim''.

    Guardo comigo quase todas as matérias que produzi no Cidade de Santos. A da reclamação contra um laticínio foi a primeira, feita em 2 de janeiro de 1986, com o repórter-fotográfico Adalberto Marques, e publicada no dia seguinte.

    No dia 3 de janeiro de 1986, fiz uma matéria na Sabesp sobre falta de água, quando o superintendente era Maurílio Mariano. Foi a manchete do jornal do dia 4 de janeiro de 1986. A foto era do repórter-fotográfico Ademir Barbosa, falecido há cerca de dois anos.

    Em fevereiro de 1986, elaborei o caderno de Carnaval.

    Tenho também um álbum que o jornal lançou em maio de 1968, para que a garotada colasse figurinhas de personalidades santistas, que eram publicadas em suas páginas.

     

    Quando o jornal fechou, a regional santista do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo emitiu nota de repúdio, que foi distribuída à população.

    A notícia foi publicada no Jornal da Tarde e em outros periódicos.

    No último dia 12, também completou 20 anos que a Folha publicou o editorial intitulado A Máfia do Diploma, em que condenou com veemência os sindicatos e grupos que defendiam (e defendem) a obrigatoriedade do diploma de jornalismo para o exercício da profissão.


    Atenção: É proibida a reprodução dos textos e das fotos deste blog em qualquer meio de comunicação, impresso ou escrito, sem autorização da jornalista Lídia Maria de Melo. Esta advertência está  amparada pela Lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.



    Escrito por Lídia Maria de Melo às 04h20
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Ivanéa Pastorelli

     

    Queria escrever sobre o insulto que é a cobrança da CPMF, uma contribuição que deveria ser provisória, para tentar salvar a saúde deste País, mas está se tornando permanente, à revelia da população, que continua sem atendimento médico-hospitalar decente. Um outro tema, no entanto, me desviou do foco.

    Acabei de receber o jornal Unidade, do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, e uma nota me surpreendeu e entristeceu: a jornalista Ivanéa Maria Pastorelli, autora do Manual de Imprensa e de Mídia do Estatuto da Criança e do Adolescente, morreu em 28 de julho.

    Fazia um tempo que não a encontrava, mas realizou um belo trabalho na área social em Santos. Também deu aulas no curso de Jornalismo da Universidade Santa Cecília (Unisanta). Nunca soube que estivesse doente, mas estava.

    Não costumávamos conversar muito, mas sempre nos cumprimentávamos com um sorriso, aquele que demonstra uma simpatia pela outra pessoa, mesmo que não a conheçamos direito. Essa é a imagem que guardo de Ivanéa, a de uma pessoa que me tratava com muita gentileza e a quem eu retribuía esse tratamento.

    Ganhei dela um exemplar de seu livro e o consulto sempre que preciso esclarecer alguma dúvida sobre o ECA. Falei nela no início deste ano durante aula no curso de Jornalismo. Lamento que tenha ido embora tão cedo, aos 55 anos. Ficam uma boa lembrança e o trabalho que realizou.



    Escrito por Lídia Maria de Melo às 11h16
    [] [envie esta mensagem
    ] []





    Luciano Pavarotti canta Nessum Dorma, ária da ópera inacabada Turandot, de Giacomo Puccini.

    O tenor popularizou essa ária.

     



    Escrito por Lídia Maria de Melo às 01h55
    [] [envie esta mensagem
    ] []



     
      [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]